O discurso competente (hegemônico) e os desafios para a demarcação de territórios étnicos Guarani e Kaiowá no estado de Mato Grosso do Sul/Brasil

Autores/as

  • Juliana Grasiéli Bueno Mota

Palabras clave:

povos Guarani e Kaiowá, discurso competente ruralista, demarcación de terras indígenas

Resumen

No Brasil, o estado de Mato Grosso do Sul é celebre por sua política anti-indigenista, decorrente do claro desrespeito aos direitos territoriais dos povos indígenas e, em consequência, às garantias expressas na Constituição Federativa do Brasil de 1988. Os indígenas têm lutado contra a territorialização do agronegócio sobre seus territórios étnicos. Nesse aspecto, o obje-tivo deste texto é discutir como o discurso competente e hegemônico dos ruralistas tem sido construído para convencer a sociedade brasileira a se posicionar contra a demarcação de terras indígenas. Nosso olhar se debruça sobre as lutas e disputas por territórios que envolvem os povos Guarani e Kaiowá territorializados no estado de Mato Grosso do Sul.

Citas

Antunes, Ricardo (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

-- (org.) (2004). “Apresentação”, A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular.

Araújo, Ana Valéria (2006). Povos Indígenas e a lei dos “Brancos”: o direito à diferença. Brasília: SECAD.

APIB, CIMI, ANSEF. Repúdio à Portaria 303 da AGU e às violações contra os povos indígenas [https://www.brasildefato.com.br/node/10277/]. Acesso em: out. 2013.

Brasil. Ministério Público Federal/Procuradoria Da República No Município De Dourados/MS (2009). Plantio de Cana de Açúcar nas Proximidades de Dourados – MS. Nota (Técnica: Antropologia/MADA/N. 007/2009. Procedimento Administrativo: 1.21.001.000139/2009-12). Dourados: MPF/Dourados, 2009.

Brasil/PEC 215. Proposta de Emenda à Constituiçao nº 215-A, DE 2000 [http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1288819.pdf]. Acesso. Fev. 2016.

Carneiro Da Cunha, Manuela (1994). “O futuro da questão indígena”, Estudos Avançados, v. 8, n. 20, pp. 121-136, 1994.

Carvalho, Luis Carlos Correa (2016). Recuperação do setor canavieiro nacional deve ser lenta, diz presidente da Abag [https://www.novacana.com/n/industria/recuperacao-setor-canavieiro-nacional-lenta-presidente-abag-131016/], acesso em: 20 de out. 2016.

Cavalcante, Thiago Vieira (2013). Colonialismo, território e territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowá em Mato Grosso do Sul. (Doutorado em História), Unesp, Assis.

Chauí, Marilena (2007). Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez.

Conselho Indigenista Missionário (CIMI) (2011). As violências contra os povos indígenas em Mato Grosso do Sul: e as resistências do bem viver por uma terra sem males (dados 2003-2010). Mato Grosso do Sul: CIMI.

Constituição Da República Federativa Do Brasil (2006). Texto Constitucional, promulgada em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas emendas Constitucionais da Revisão N. 1 a 6/94. –Brasília: Senado Federal, Subsecretária de Edições Técnicas.

Engels Friederich (1977). “Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem”. In Textos. São Paulo (mimeografado).

Felinto, Marilene (2006). “Normal teria sido a guerra”. Revista Caros Amigos, Casa Amarela: São Paulo, ano 10, n. 111, p. 9, jun.

Gerbi, Antonello (1996). O novo mundo: história de uma polêmica, 1750-1900. São Paulo: Cia das Letras.

Gomes, Mércio Pereira (2009). “Cultura e seus significados”, in: Antropologia: ciência do homem / filosófica da cultura. São Paulo: Contexto, pp. 33-51.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012). Os indígenas no censo demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor e raça. Rio de Janeiro: IBGE.

ISA, Instituto Socioambiental (2014). Povos indígenas no Brasil [http://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/], acesso em: 10 de jan, 2014.

-- (2015). Para juristas, PEC 215 é inconstitucional [https://www.socioambiental.org/pt-br/node/2342], acesso em: 12 de agost. 2015.

Jornal Diário MS, 15 de abril, 21 de maio y 10 de novembro de 2009.

Jornal O Progresso, 30 de abril y 4 de agosto de 2008.

Lander, Edgardo (2005). “Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos”. In Edgardo Lander (org.). A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais latino-americanas. Buenos Aires: Clacso.

Marx, Karl (1985). O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1985a. Livro 1, v. 1. (Os economistas).

Melià, Bartomeu, George Grünberg, Friedl Grünberg (1976). Los Paî Tavyterã: etnografía guarani del Paraguay contemporáneo. Asunción: CEADUC/CEPAG, 2008.

--, Friederich Engels (1932). A ideologia alemã. São Paulo: Martin Claret.

Mota, Juliana Grasiéli Bueno (2011). “Territórios e territorialidades Guarani e Kaiowá: da territorialização precária na Reserva Indígena de Dourados à multiterritorialidade”. Dissertação (Mestrado em Geografia) - UFGD, Dourados.

-- (2015). “Territórios, multiterritorialidades e memórias dos povos Guarani e Kaiowá: diferenças geográficas e as lutas pela Des-colonialização na Reserva Indígena e nos acampamentos-tekoha - Dourados/MS”. (Tese em Geografia) – FCT-UNESP, Presidente Prudente.

Pereira, Levi Marques (1999). “Parentesco e organização social Kaiowá”. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – IFCH, UNICAMP, Campinas.

-- (2004). “Imagens Kaiowá do sistema social e seu entorno”. Tese (Doutorado em Antropologia) – FFLCH, USP, São Paulo.

PIB/CIMI/ANSEF (2012). Organizações lançam manifesto contra Portaria 303 da AGU e denunciam cruzada de Governo Dilma contra os povos indígenas [http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=news&conteudo_id=6433&action=read], acesso em: 10 ago 2012.

Porto-Gonçalves, Carlos Walter (2004). “A geografia da riqueza, fome e meio ambiente: pequena contribuição ao atual modelo agrário/agrícola de uso dos recursos naturais”. In: Oliveira, Ariovaldo Umbelino de; Marquez, Marta Inês Medeiros. O campo no século XXI: Território de vida, de luta e de construção da justiça social. São Paulo: Casa Amarela; Paz e Terra, pp. 207-254.

-- (2006). “A Reinvenção dos territórios: a experiência latino-americana e caribenha”. In: Ceceña, Ana Esther. Los desafíos de las emancipaciones en un contexto militarizado. Argentina: Clacso, pp. 151-197.

Prado Júnior, Caio (2012). História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense [1945].

SENAR; FAMASUL. Em total conexão. Coleção Agrinho[http://www.agrinho.com.br/materialdoaluno/colecao-agrinho-01]. Acesso em: 12 de out. 2016.

Silva, José Afonso da (2008). A consulta: Demarcação de Terra Indígena [http://www.socioambiental.org/inst/esp/raposa/?q=node/260], acesso em: 12 jan. 2012.

TAC – Termo de Ajustamento de Conduta MPF/FUNAI, 2007. (Documento digitalizado).

Todorov, Tzvetan (1991). A conquista da América: a questão do outro. Tradução: Beatriz Perrone Moíses. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

Viveiros De Castro, Eduardo (2008). Entrevistas. In: Sztutman, Renato (org). Encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue.

Woortmann, Klass (2004). O selvagem e o novo mundo: ameríndios, humanismo e escatologia. Brasília: UNB.

ENTREVISTAS

Kaiowá Jorge. Reserva Indígena de Dourados. Entrevista realizada em fev. 2016.

Publicado

2017-04-26

Cómo citar

Juliana Grasiéli Bueno Mota, . (2017). O discurso competente (hegemônico) e os desafios para a demarcação de territórios étnicos Guarani e Kaiowá no estado de Mato Grosso do Sul/Brasil. Argumentos. Estudios críticos De La Sociedad, (83), 89–118. Recuperado a partir de https://argumentos.xoc.uam.mx/index.php/argumentos/article/view/49